Arquivo da tag: Homicídio Privilegiado

Homem que matou ex-esposa é condenado a 79 anos de prisão, em Pernambuco

[tweetmeme]

Vinte e um anos depois, o comerciante José Ramos Lopes Neto, 47 anos, foi condenado na madrugada desta quarta-feira, 2, a 79 anos de prisão, em regime fechado, por homicídio duplamente qualificado por motivo torpe – da sua ex-mulher, Maristela Just – e por tentativa de homicídio qualificado contra seus dois filhos, Nathalia e Zaldo – então com quatro e dois anos – e seu ex-cunhado Ulisses Just.

A sentença foi proferida às 2h58, pela juíza do fórum de Jaboatão dos Guararapes, na região metropolitana do Recife, Inês Maria de Albuquerque. Os sete jurados – três homens e quatro mulheres – do tribunal do júri condenaram o réu, por maioria. Julgado à revelia, ele está foragido.

Proferida 15 horas depois do início do julgamento, a sentença foi comemorada pela família Just,entre lágrimas e abraços. José Ramos foi condenado a 26 anos de prisão pelo assassinato, e pelas tentativas de homicídio, 53 anos.

Diante da possibilidade de fuga, o comerciante teve sua prisão preventiva decretada pela juíza no dia 19 de maio. Ele e seu advogado não haviam comparecido ao julgamento marcado inicialmente para 13 de maio, o que levou ao adiamento. O anúncio da prisão foi feito pela juíza no início do julgamento. Segundo ela, oficiais de justiça tentaram intimá-lo em três buscas, sem sucesso.

O Ministério Público pediu a pena máxima, 90 anos de prisão para o réu. Os dois defensores públicos que fizeram a defesa de José Ramos com base na tese do homicídio privilegiado – sob domínio de forte emoção e por injusta provocação da vítima – na busca de atenuar a pena. Foi destacado o desequilíbrio do réu, que não se conformava com a separação – ocorrida dois anos antes do crime – e o fato dele ter confessado ter matado a ex-mulher.

A defesa buscou ainda convencer os jurados de que José Ramos não teve intenção de atirar nos filhos e no ex-cunhado Ulisses Just. Ulisses morreu há dez anos por motivos não relacionados ao caso.

Nathalia Just, atualmente com 25 anos, a mesma idade que tinha a mãe quando assassinada, e única testemunha ocular da tragédia, encarregou-se de desfazer esta tese. “Eu queria que ele estivesse presente para olhar na cara dele e ver se ele teria coragem de negar que atirou com um revólver na minha direção, do meu irmão e do meu tio e matou a minha mãe”, disse em seu depoimento, emocionada, no qual chorou por várias vezes ao relembrar o crime e as sequelas físicas e emocionais.

Ela assegurou que o pai, a quem se referiu como José, precisou fazer um giro com o braço para atingir todas as quatro pessoas que se encontravam no quarto da casa dos pais de Maristela, com quem ela e os filhos passaram a morar depois da separação.

“Foram seis balas que atingiram os quatro”, destacou, ao relembrar as cenas chocantes que ficaram marcadas na sua memória. Maristela foi morta com três tiros na cabeça. Nathalia foi atingida por um tiro transfixante no ombro direito e o irmão, que estava brincando, no chão, levou um tiro na cabeça que deixou paralisado o seu lado esquerdo. Ulisses também foi atingido ao tentar socorrer a irmã.

O julgamento foi acompanhado por representante da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e por militantes do Fórum de Mulheres de Pernambuco.Todos destacavam o caso como “emblemático” diante da demora da justiça. O crime ocorreu em 4 de abril de 1989. José Ramos foi preso em flagrante e passou um ano preso. Foi solto mediante habeas corpus impetrado pelo seu pai, o advogado criminalista Gil Teobaldo, e desde então respondia ao processo em liberdade, utilizando todos os recursos legais para prorrogar o seu julgamento.

Notícia retirada do Portal Estadão

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em

Júri classifica crime em que marido matou esposa a facadas como homicídio privilegiado, em Minas Gerais

[tweetmeme]

Depois de ficar 11 meses preso no presídio de Manhuaçu, o armador de ferragens Sebastião de Paula Mendes, 57 anos, foi submetido a julgamento nesta quarta-feira,dia 23.

Réu confesso, foi denunciado pelo MPE por homicídio qualificado, ocorrido no dia 17 de abril de 2010, na Avenida Castelo Branco,Bairro Santana. Inconformado por estar sendo traído, assassinou com 21 facadas sua mulher, Maria Aparecida da Silva.

O crime chocou todos os moradores devido à crueldade. Na noite do crime, o acusado atendeu a uma ligação de um homem que perguntou por Maria Aparecida. Em seguida esperou a mulher sair do banho e, quando caminhava para o quarto envolvida numa toalha foi atacada pelo marido completamente descontrolado de ódio.

O Ministério Público ofereceu denúncia contra Sebastião de Paula por homicídio qualificado,  (motivo torpe e recurso que dificultou a defesa da vítima. O promotor Fábio Santana pediu condenação máxima,pois, segundo ele o crime foi cometido de forma covarde.

Os advogados de defesa, Roberto Gomes e Alex Barbosa de Matos que atuaram nos três julgamentos de maneira brilhante e equilíbrio, disseram que o acusado agiu sob violenta emoção, ao ver a mulher sendo importunada e, ao mesmo tempo em que jurava fidelidade a Sebastião de Paula, continuava tendo outros relacionamentos.

O Tribunal do Júri formado por seis mulheres e um homem, desclassificou para homicídio privilegiado. No final o juiz da Vara Criminal, Dr.Walteir José da Silva leu a sentença de condenação, totalizando 10 anos e 10 meses de reclusão ao acusado, que, deverá ficar preso por mais  um ano. Depois, começará a trabalhar numa condição favorável no projeto APAC.

Notícia retirada do Portal Caparaó

 

Deixe um comentário

Arquivado em Maria Aparecida