Homem pode ser preso 26 anos após matar a esposa

[tweetmeme]

Depois de 26 anos do crime, o engenheiro Edgar Nunes de Almeida, acusado da morte da esposa, a estudante de Direito, Dóris Teresa Fontenele Bruno, cumprirá os dez anos de prisão a que foi condenado em 1999. O mandado foi expedido há dois anos pelo juiz Whosemberg de Morais Ferreira, em Beberibe, enviado à Polícia Civil da Bahia (onde mora o acusado) e, por razões desconhecidas não foi cumprido. Só agora, a família da vítima conseguiu acionar a Polícia, em Salvador, para capturar o engenheiro.

O crime aconteceu no dia 1º de outubro de 1985. O casal estava numa audiência, no Fórum Clóvis Beviláqua, para decidir a separação e a guarda da filha única, Ahiran Buno. Segundo os autos, Almeida sequestrou Dóris no intervalo da audiência e a levou para a Fazenda Cirros, na localidade de Serra do Félix, em Beberide. No caminho, segundo o processo, ele a estrangulou e colocou o corpo na mala da Belina que os transportava. Além do assassinato, Almeida ainda tentou esconder o cadáver, enterrando-o. Três dias depois o corpo da jovem foi encontrado numa cova rasa.

O processo arrastou-se por todos 25 anos. O réu recorreu às sentenças, conseguiu habeas corpus, pediu desaforamento do caso e vinha conseguindo adiar o cumprimento da pena. Conforme a família da vítima, Almeida levou uma vida normal, morando com a nova esposa e os dois filhos, em Salvador. Ganhou um prêmio como engenheiro, ministra palestras, faz doutorado e sai do País legalmente. A filha do casal, hoje com 29 anos, diz que, no único encontro com o pai, ele a usou para tirar fotos dos dois e colocá-las no processo para provar ter cumprido suas obrigações de genitor. Ahiran, diz que o sentimento de impunidade foi diminuído com a notícia de que a Polícia deverá prendê-lo.

Notícia retirada do Portal Diário do Nordeste

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em

2 Respostas para “Homem pode ser preso 26 anos após matar a esposa

  1. rans

    ele merese ficar preso ate o fin de seus dias

  2. Mara F.

    Isso mostra o quanto é urgente mudar a legislação brasileira com referência ao código penal. Em outro país, um processo desse não se arrastaria por 26 anos nem a pena seria a mesma.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s