Brasil passa a ter 21 varas e 23 juizados especiais de violência contra a mulher

[tweetmeme]

O Brasil tem 21 varas especializadas em violência doméstica e familiar contra a mulher, com a instalação, nesta sexta-feira (11/03), no Espírito Santo, de mais uma, na comarca de Vila Velha. Além das varas especializadas, o Brasil conta, atualmente, com 22 juizados especiais de violência contra a mulher – número que deverá ser ampliado até o final do ano. Tais juizados e varas começaram a ser instalados nos estados a partir da sanção da Lei Maria da Penha, em 2006. O trabalho executado nestes locais, como a abertura e tramitação de processos e o número de sentenças conferidas, tem sido acompanhado de perto pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Além do desempenho destas varas e juizados especiais, todo o processo de criação dos mesmos pelos tribunais de justiça e a eficácia da Lei Maria da Penha serão discutidos, no próximo dia 22 de março em Brasília, durante a realização da quinta edição da chamada Jornada Maria da Penha. Evento que contará com a participação de magistrados, juristas e operadores de direito.

 

Conforme balanço parcial do CNJ, as unidades da federação que mais possuem juizados especiais de violência doméstica e familiar contra a mulher são, hoje, Rio de Janeiro e Distrito Federal. Já em relação às varas especializadas, os estados que possuem maior número são Mato Grosso, Tocantins e Espírito Santo – cada um, três varas – seguidos da Bahia e Minas Gerais. De um modo geral, desde que foi sancionada, a Lei Maria da Penha já foi responsável por quase 77 mil sentenças proferidas, mais de 330 mil processos, quase duas mil prisões preventivas e cerca de oito mil prisões em flagrante. O levantamento, porém, ainda não é completo, porque aguarda informações mais detalhadas das varas e juizados especiais.

 

Acompanhamento – O CNJ tem atuado, ao longo dos últimos cinco anos, na difusão do teor da Lei Maria da Penha entre a população – como forma de facilitar o acesso à Justiça por parte da mulher que sofre violência doméstica. E, também, na implantação de iniciativas que envolvem ações diversas nos estados, tais como o acompanhamento dos juizados e das varas de violência doméstica contra a mulher, dos processos abertos e em tramitação e das sentenças concedidas.

 

Além disso, como parte da campanha de conscientização sobre a Lei Maria da Penha, o Conselho está veiculando, desde o dia 8 de março, campanha nacional sobre o tema. A jornada Maria da Penha tem o propósito de discutir a legislação, bem como a instalação e funcionamento destes juizados e varas. Objetiva, ainda, abordar aspectos jurídicos do texto.

Notícia retirada do Portal Direito do Estado

 

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s